Raiva reprimida: a chocante verdade que você precisa saber

Junho 9, 2023

7 min read

Avatar photo
Author : United We Care
Raiva reprimida: a chocante verdade que você precisa saber

Introdução _

A raiva reprimida é um fenômeno psicológico complexo que pode afetar profundamente o bem-estar mental e emocional de um indivíduo. A raiva reprimida geralmente decorre de condicionamento social ou experiências pessoais, que se referem à supressão inconsciente ou negação de emoções relacionadas à raiva. Este artigo se aprofundará na raiva reprimida, suas possíveis consequências e estratégias para abordá-la.

Defina raiva reprimida _ _

A raiva é uma emoção natural e poderosa que surge em resposta a ameaças ou interferências de alguma forma. No entanto, alguns indivíduos tendem a evitar reconhecer e expressar essa raiva. A raiva reprimida é um mecanismo de defesa que surge de vários fatores, como expectativas sociais, normas culturais, educação pessoal ou experiências traumáticas [1]. Para evitar emoções desagradáveis associadas ao estresse, discórdia e tensão, os indivíduos podem empregar esse processo inconsciente para se salvar [2]. Com o tempo, a raiva reprimida pode se acumular e se manifestar de maneira diferente, afetando a saúde mental, emocional e física.

É essencial distinguir entre raiva reprimida e raiva reprimida. Enquanto o último não é intencional, e o indivíduo reprimindo a raiva pode não conhecer sua tendência, o primeiro é um ato consciente. A supressão é um esforço consciente para deliberadamente reter ou controlar emoções, pensamentos ou impulsos [2].

É difícil medir e relatar a raiva reprimida, pois há uma considerável decepção de si e do outro [3]. Os indivíduos podem sentir alguns sintomas em seu corpo, como aumento da frequência cardíaca, e até mesmo apresentar comportamentos semelhantes à raiva, mas negarão o sentimento de agressão quando questionados diretamente ou confrontados. Alguns estudos mostraram que aqueles que reprimem a raiva não relatam emoções negativas durante o estresse, mas sua frequência cardíaca e excitação fisiológica são altas [3].

Quais são os sintomas de raiva reprimida ?

A raiva reprimida pode afetar uma pessoa de várias maneiras. Ela afeta o bem-estar emocional, mental e físico de uma pessoa e, se não for tratada, pode ter consequências devastadoras. Algumas maneiras pelas quais a raiva reprimida se manifesta são:

Quais são os sintomas da raiva reprimida?

Movimentos E negativos inexplicados _

A raiva reprimida pode contribuir para irritabilidade crônica, frustração ou insatisfação. As emoções reprimidas podem ressurgir inesperadamente e se intensificar, levando a mudanças de humor [2].

Estratégias de enfrentamento deficientes e preocupações com a saúde mental

Indivíduos que reprimem a raiva tendem a evitar enfrentar e abordar seus sentimentos e usar a distração para lidar com situações perturbadoras. Isso causa estresse, ansiedade e outras condições de saúde mental [2] [4].

Pensamentos Negativos e Intrusivos

Indivíduos com raiva reprimida tendem a ter pensamentos intrusivos negativos e autocríticos. Isso pode afetar sua auto-estima e bem-estar geral.

Depressão

Alguns autores consideram a depressão como uma raiva dirigida ao eu [5]. Estudos associaram tanto a repressão quanto a supressão da raiva à

doenças crônicas _

Alguns estudos sugerem que a raiva não dirigida afeta o corpo causando tensão muscular crônica ou dores de cabeça. Além disso, pode enfraquecer o sistema imunológico, causar pressão alta, alta reatividade cardiovascular e até levar ao desenvolvimento de distúrbios graves, como câncer [2] [3] [6].

Bem-estar relacional ruim

Freqüentemente, as pessoas que reprimem sua raiva lutam com a comunicação, expressando necessidades ou estabelecendo limites [2]. Pode criar uma barreira emocional e impedir conexões saudáveis com outras pessoas

Portanto, é vital saber como lidar com a raiva de forma eficaz. Enfrentar a raiva reprimida pode ser desafiador, mas pode ser feito com dicas simples.

Como lidar com a raiva reprimida?

Lidar com a raiva reprimida pode parecer assustador, mas é uma jornada que se deve fazer para uma vida saudável e feliz. Algumas maneiras de descobrir e controlar a raiva reprimida são [1] [2]:

Como lidar com a raiva reprimida?

1) Consciência e aceitação da raiva Reconhecendo e reconhecendo a raiva reprimida é o primeiro passo para enfrentá-la. Por se tratar de um processo inconsciente, a pessoa pode não ter consciência nem mesmo de reprimir sua raiva. É útil sentar-se com emoções inexplicáveis, rastreá-las em seu corpo e tentar entender o que pode estar causando isso. O registro no diário pode ser benéfico para entender profundamente os pensamentos e emoções de alguém. É importante lembrar que a raiva é natural e valiosa. Aceitar os próprios sentimentos, por mais negativos que sejam, pode ser o primeiro passo para resolvê-los. 2) Aprendendo a Expressão Saudável da Raiva Pode-se aprender estratégias de comunicação assertiva para expressar raiva de forma saudável, aprendendo técnicas e estabelecendo limites claros. Com emoções reprimidas, é fácil ser acionado em situações que de outra forma não seriam prejudiciais (por exemplo: um amigo se atrasando ou cancelando o plano). Pode-se achar útil entender seus gatilhos quando eles são acionados e encontrar maneiras saudáveis de liberar essa raiva em vez de explodir ou evitá-la. 3) Encontrando maneiras de canalizar a raiva A raiva vem com muita energia. Envolver-se em atividades físicas, como exercícios ou esportes, ou encontrar saídas criativas, como pintar, escrever ou tocar música, pode ajudar a liberar emoções reprimidas. 4) Praticar Mindfulness, Meditação e Compaixão É essencial estar atento ao que se sente e permitir que isso ocorra em vez de evitá-lo. Praticar a atenção plena e a meditação, em geral, pode ajudá-lo a observar e aceitar as emoções sem julgamento, permitindo o processamento e a liberação da raiva reprimida. Também é essencial praticar a compaixão por si e pelos outros e deixar que esses sentimentos ou situações, que podem não ser ideais, existam. 5) Buscar terapia Se a raiva reprimida afetar significativamente sua vida diária ou seus relacionamentos, considere procurar a orientação de um profissional de saúde mental. Eles podem fornecer insights, ferramentas e intervenções terapêuticas adaptadas às suas necessidades. Compreender e controlar a raiva é uma das habilidades mais valiosas que uma pessoa pode desenvolver. Aprender a reconhecer e expressar sua raiva de forma saudável pode levar a um melhor bem-estar geral.

Conclusão

A raiva reprimida pode impactar profundamente o bem-estar emocional, os relacionamentos e a saúde física de um indivíduo. Os indivíduos podem começar a jornada para liberar a raiva reprimida e promover o bem-estar emocional cultivando a autoconsciência, encontrando saídas saudáveis para a expressão, praticando a atenção plena e buscando ajuda profissional quando necessário.

Se você é alguém que reprime sua raiva e está lutando contra ela, entre em contato com os especialistas ou explore mais conteúdo na UWC . A equipe de bem-estar e saúde mental da United We Care irá orientá-lo com os melhores métodos de autodescoberta e bem-estar.

Referências

  1. “Raiva reprimida: a pessoa altamente sensível e a raiva”, Eggshell Therapy and Coaching, https://eggshelltherapy.com/repressed-anger/ (acessado em 20 de maio de 2023).
  2. W. por: NA LMFT e R. por: DW PharmD, “Raiva reprimida: sinais, causas, tratamentos e 8 maneiras de enfrentar”, Escolhendo a terapia, https://www.choosingtherapy.com/repressed-anger/ ( acessado 20 de maio de 2023).
  3. JW Burns, D. Evon e C. Strain-Saloum, “Raiva reprimida e padrões de respostas cardiovasculares, autorrelatadas e comportamentais”, Journal of Psychosomatic Research, vol. 47, nº. 6, pp. 569–581, 1999. doi:10.1016/s0022-3999(99)00061-6
  4. HM Hendy, LJ Joseph e SH Can, “A raiva reprimida medeia associações entre estressores de minorias sexuais e resultados psicológicos negativos em gays e lésbicas”, Journal of Gay & Lesbian Mental Health, vol. 20, não. 3, pp. 280–296, 2016. doi:10.1080/19359705.2016.1166470
  5. FN Busch, “Raiva e depressão,” Avanços em Tratamento Psiquiátrico, vol. 15, não. 4, pp. 271–278, 2009. doi:10.1192/apt.bp.107.004937
  6. SP Thomas et al., “Anger and cancer,” Cancer Nursing, vol. 23, não. 5, pp. 344–349, 2000. doi:10.1097/00002820-200010000-00003

Unlock Exclusive Benefits with Subscription

  • Check icon
    Premium Resources
  • Check icon
    Thriving Community
  • Check icon
    Unlimited Access
  • Check icon
    Personalised Support
Avatar photo

Author : United We Care

Scroll to Top

United We Care Business Support

Thank you for your interest in connecting with United We Care, your partner in promoting mental health and well-being in the workplace.

“Corporations has seen a 20% increase in employee well-being and productivity since partnering with United We Care”

Your privacy is our priority