DEPRESSÃO PÓS-PARTO: COMPREENDENDO E ENFRENTANDO A QUEBRA DO SILÊNCIO

Junho 9, 2023

10 min read

Avatar photo
Author : United We Care
DEPRESSÃO PÓS-PARTO: COMPREENDENDO E ENFRENTANDO A QUEBRA DO SILÊNCIO

Introdução

“O pós-parto é uma busca de volta para si mesmo. Sozinho em seu corpo novamente. Você nunca mais será o mesmo, você é mais forte do que era.” -Ametista Alegria [1]

A depressão pós-parto (DPP) é um distúrbio de saúde mental que afeta mulheres após o parto. Sentimentos de tristeza, ansiedade e exaustão o caracterizam. A DPP pode afetar a capacidade da mãe de cuidar de si mesma e de seu bebê. A identificação precoce e o apoio são cruciais para o gerenciamento e tratamento da DPP.

O que é depressão pós-parto?

De acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, 5ª edição (DSM-V), a depressão pós-parto (DPP) é um transtorno de saúde mental que afeta mulheres após o parto. É caracterizada por sentimentos de extrema ansiedade, tristeza e exaustão que podem interferir no funcionamento diário e no vínculo com o recém-nascido. A DPP geralmente ocorre nas primeiras semanas ou meses após o parto, mas pode persistir por um ano ou mais se não for tratada. [2]

A pesquisa sugere que as alterações hormonais, especificamente a queda repentina nos níveis de estrogênio e progesterona após o parto, desempenham um papel significativo no desenvolvimento da DPP. Outros fatores, como história pessoal ou familiar de depressão, falta de apoio social, privação de sono e eventos estressantes da vida, também podem contribuir para o seu aparecimento. [3]

Estima-se que uma em cada sete mulheres sofra de depressão periparto. Os profissionais de saúde, familiares e amigos precisam estar cientes dos sinais e sintomas da DPP para fornecer apoio e garantir o bem-estar das novas mães, pois a identificação e a intervenção precoces são cruciais no manejo da DPP. [4]

Sintomas da depressão pós-parto

A depressão pós-parto (DPP) é caracterizada por sintomas que podem afetar significativamente o bem-estar emocional de uma nova mãe. Os sintomas comuns associados à DPP são:

Sintomas da depressão pós-parto

  1. Tristeza persistente e sentimentos de desesperança : As mulheres com DPP podem sentir tristeza prolongada, choro ou uma sensação geral de vazio. Eles também podem não ter alegria ou interesse em atividades que antes gostavam.
  2. Fadiga extrema e falta de energia : o PPD pode causar fadiga e exaustão significativas, mesmo com descanso suficiente. Isso pode tornar difícil para as mães realizar tarefas diárias ou cuidar de seus recém-nascidos.
  3. Mudanças nos padrões de apetite e sono : o PPD pode atrapalhar os padrões de alimentação e sono de uma mulher. Alguns podem sentir perda de apetite e ter problemas para adormecer ou permanecer dormindo, enquanto outros podem se envolver em comer emocionalmente ou dormir demais.
  4. Irritabilidade, agitação e raiva : mulheres com DPP podem apresentar irritabilidade aumentada, mudanças de humor frequentes e pavio curto. Eles podem se sentir facilmente sobrecarregados, agitados ou frustrados por questões menores.
  5. Ansiedade e preocupação excessiva : a DPP pode se manifestar como ansiedade intensa, geralmente caracterizada por preocupação excessiva com a saúde e o bem-estar do bebê. As mães podem experimentar pensamentos acelerados, inquietação e sintomas físicos, como palpitações cardíacas ou falta de ar.

Esses sintomas podem fazer com que as novas mães se sintam envergonhadas, isoladas ou culpadas. Para ser diagnosticado com depressão pós-parto, os sintomas devem ocorrer durante a gravidez ou dentro de quatro semanas após o parto. [4], [5]

Causas da depressão pós-parto

As causas da depressão pós-parto (DPP) são multifatoriais e envolvem uma complexa interação de fatores biológicos, psicológicos e sociais. Aqui estão algumas das causas da DPP:

Causas da depressão pós-parto

  1. Alterações hormonais : acredita-se que a queda dramática nos níveis hormonais após o parto, particularmente estrogênio e progesterona, contribua para a DPP. Essas flutuações hormonais podem afetar os sistemas de neurotransmissores envolvidos na regulação do humor.
  2. Predisposição Genética : A pesquisa sugere um componente genético para PPD. Mulheres com histórico pessoal ou familiar de depressão ou outros transtornos do humor podem ter um risco maior.
  3. Fatores psicológicos : condições de saúde mental pré-existentes, como histórico de depressão ou ansiedade, podem tornar as mulheres mais suscetíveis à DPP. Além disso, vivenciar altos níveis de estresse, baixa autoestima ou expectativas irrealistas da maternidade podem contribuir para o seu desenvolvimento.
  4. Apoio Social : A falta de apoio social, incluindo apoio emocional limitado, relacionamentos tensos ou assistência inadequada com os cuidados infantis, pode aumentar o risco de DPP.
  5. Estressores da vida : eventos significativos da vida, como dificuldades financeiras, problemas conjugais ou experiências traumáticas de parto, podem desencadear a DPP.

Talvez seja provável que uma combinação desses fatores cause DPP, e a experiência de cada mulher pode ser diferente. [6]

Efeitos da depressão pós-parto

“Sinceramente, às vezes ainda acho que tenho que lidar com [a depressão pós-parto]. Acho que as pessoas precisam falar mais sobre isso porque é quase como o quarto trimestre; faz parte da gravidez. Lembro-me de um dia em que não consegui encontrar a mamadeira de Olympia e fiquei tão chateada que comecei a chorar… porque queria ser perfeita para ela. -Serena Williams. [7]

A depressão pós-parto (DPP) pode afetar significativamente a mãe e o bebê. Alguns dos efeitos do PPD são:

Efeitos da depressão pós-parto

  1. Impacto nas mães : o PPD pode prejudicar a capacidade da mãe de cuidar de si mesma e de seu recém-nascido. Pode levar à diminuição do vínculo com o bebê, dificuldade em estabelecer a amamentação e redução da capacidade de resposta às necessidades do bebê. A DPP também pode afetar o bem-estar geral, os relacionamentos e a qualidade de vida da mãe.
  2. Impacto sobre os bebês : os bebês de mães com DPP podem apresentar atrasos no desenvolvimento, má regulação emocional e interação social prejudicada. A pesquisa sugere que os bebês de mães deprimidas podem estar em maior risco de dificuldades cognitivas, comportamentais e emocionais mais tarde na vida.
  3. Dinâmica familiar : o PPD pode prejudicar os relacionamentos dentro da unidade familiar, levando a um aumento do conflito, interrupção da comunicação e diminuição do apoio do parceiro ou da família. Os irmãos do recém-nascido também podem ser afetados pela condição da mãe.
  4. Consequências a longo prazo : A DPP tem sido associada a um risco aumentado de depressão recorrente em futuras gestações e além. Pode ter efeitos duradouros na saúde mental e no funcionamento geral da mãe.

A identificação, intervenção e apoio precoces são cruciais para minimizar os efeitos adversos da DPP tanto na mãe quanto no bebê. [8]

Como superar a depressão pós-parto?

Superar a depressão pós-parto (DPP) requer uma abordagem abrangente envolvendo várias estratégias. Aqui estão algumas maneiras de abordar e superar o PPD:

Como superar a depressão pós-parto?

  1. Procure ajuda profissional : consultar um profissional de saúde com experiência em saúde mental perinatal é crucial. Eles podem diagnosticar com precisão e recomendar opções de tratamento adequadas, como terapia ou medicação.
  2. Psicoterapia : A terapia cognitivo-comportamental (TCC) e a terapia interpessoal (IPT) trataram com eficácia a DPP. Essas terapias ajudam os indivíduos a identificar e modificar padrões de pensamento negativo, desenvolver estratégias de enfrentamento e melhorar os relacionamentos interpessoais.
  3. Apoio Social : Construir uma sólida rede de apoio é essencial. Conectar-se com a família, amigos e grupos de apoio pode fornecer validação emocional, assistência prática e um sentimento de pertencimento.
  4. Autocuidado : priorizar atividades de autocuidado, como exercícios, nutrição adequada, sono suficiente e envolvimento em atividades agradáveis, pode promover o bem-estar geral e ajudar na recuperação da DPP.
  5. Envolvimento do parceiro e da família : Envolver os parceiros e familiares no processo de tratamento e garantir sua compreensão da DPP pode aumentar o apoio e contribuir para o processo de cura.
  6. Medicação (se necessário) : Em casos graves, os profissionais de saúde podem prescrever medicamentos antidepressivos para aliviar os sintomas da DPP. É essencial discutir os potenciais benefícios e riscos com um profissional de saúde.

É importante lembrar que a recuperação da DPP leva tempo e um plano de tratamento personalizado é essencial. A colaboração com profissionais de saúde e um ambiente de apoio contribuem dramaticamente para superar a DPP. [9]

Conclusão

A depressão pós-parto é um problema de saúde mental significativo que pode prejudicar as mães e seus bebês. Com diagnóstico e intervenção apropriados, incluindo terapia, medicação, apoio social e autocuidado, as mulheres com DPP podem encontrar alívio e recuperar seu bem-estar. É essencial aumentar a conscientização, promover a detecção precoce e fornecer sistemas de apoio abrangentes para abordar e superar a depressão pós-parto de forma eficaz.

Se você está lutando contra a depressão pós-parto, conecte-se com nossos conselheiros especializados ou explore mais conteúdo em United We Care ! Na United We Care, uma equipe de especialistas em bem-estar e saúde mental irá orientá-lo com os melhores métodos para o seu bem-estar.

Referências

[1] “ 10 citações sobre maternidade que absolutamente amamos — Bloome Wellness & Recovery,” Bloome Wellness & Recovery , 12 de maio de 2021.

[2] GP de A. Moraes, L. Lorenzo, GAR Pontes, MC Montenegro e A. Cantilino, “Triagem e diagnóstico da depressão pós-parto: quando e como?”, Tendências em Psiquiatria e Psicoterapia , vol. 39, nº. 1, pp. 54–61, março de 2017, doi: 10.1590/2237-6089-2016-0034.

[3] K. Cordes, I. Egmose, J. Smith-Nielsen, S. Køppe e MS Væver, “Toque materno no comportamento de cuidar de mães com e sem depressão pós-parto,” Comportamento e desenvolvimento infantil , vol. 49, pp. 182–191, novembro de 2017, doi: 10.1016/j.infbeh.2017.09.006.

[4] S. Davé, I. Petersen, L. Sherr e I. Nazareth, “Incidência de depressão materna e paterna na atenção primária”, Archives of Pediatrics & Adolescent Medicine , vol. 164, nº. 11, Nov. 2010, doi: 10.1001/archpediatria.2010.184.

[5] CT Beck, “Preditores de Depressão Pós-Parto,” Pesquisa em Enfermagem , vol. 50, não. 5, pp. 275–285, set. 2001, doi: 10.1097/00006199-200109000-00004.

[6] E. Robertson, S. Grace, T. Wallington e DE Stewart, “Fatores de risco pré-natais para depressão pós-parto: uma síntese da literatura recente,” General Hospital Psychiatry , vol. 26, não. 4, pp. 289–295, julho de 2004, doi: 10.1016/j.genhosppsych.2004.02.006.

[7] “Serena Williams sobre irmandade, autoaceitação e permanecer forte,” Harper’s BAZAAR , 30 de maio de 2018. https://www.harpersbazaar.com/uk/fashion/fashion-news/a20961002/serena-williams-july -edição-capa-disparo/

[8] T. Field, “Efeitos da depressão pós-parto nas primeiras interações, parentalidade e práticas de segurança: uma revisão,” Comportamento e desenvolvimento infantil , vol. 33, nº. 1, pp. 1–6, fevereiro de 2010, doi: 10.1016/j.infbeh.2009.10.005.

[9] C. Zauderer, “Depressão pós-parto: como educadores de parto podem ajudar a quebrar o silêncio”, Journal of Perinatal Education , vol. 18, não. 2, pp. 23–31, janeiro de 2009, doi: 10.1624/105812409×426305.

Unlock Exclusive Benefits with Subscription

  • Check icon
    Premium Resources
  • Check icon
    Thriving Community
  • Check icon
    Unlimited Access
  • Check icon
    Personalised Support
Avatar photo

Author : United We Care

Scroll to Top

United We Care Business Support

Thank you for your interest in connecting with United We Care, your partner in promoting mental health and well-being in the workplace.

“Corporations has seen a 20% increase in employee well-being and productivity since partnering with United We Care”

Your privacy is our priority