United We Care | A Super App for Mental Wellness

Chega de solidão: etapas simples para melhorar sua vida social

United We Care

United We Care

Your Virtual Wellness Coach

Jump to Section

INTRODUÇÃO

“A solidão que você sente é na verdade uma oportunidade de se reconectar com os outros e consigo mesmo.” – Maxime Lagacé [1]

A solidão é um estado emocional angustiante resultante de uma falta percebida de conexões sociais significativas. Para melhorar a vida social e combater a solidão, os indivíduos podem buscar ativamente oportunidades de interação social, como ingressar em grupos comunitários, clubes ou voluntariado. Construir e nutrir relacionamentos pessoais e virtuais por meio de comunicação aberta, empatia e atividades compartilhadas pode promover um sentimento de pertencimento e aliviar sentimentos de solidão.

QUAL É A CIÊNCIA POR TRÁS DA SOLIDÃO?

A solidão é um estado emocional complexo que surge quando os indivíduos percebem uma discrepância entre as relações sociais desejadas e as reais. É importante notar que, embora a solidão esteja frequentemente associada à ausência de interações sociais, ela também pode ocorrer mesmo quando cercada por outras pessoas (Caciopp o , et al., 2018). [2]

A ciência por trás da solidão envolve uma abordagem multidimensional, incluindo fatores psicológicos, sociais e biológicos.

QUAL É A CIÊNCIA POR TRÁS DA SOLIDÃO?

  1. Fatores psicológicos Autopercepções negativas e vieses cognitivos podem influenciar a solidão. Indivíduos que se sentem socialmente isolados podem interpretar situações sociais duvidosas como hostis, levando a um maior afastamento. Além disso, a solidão costuma ser acompanhada por níveis mais altos de estresse e emoções negativas. (Qualter et al., 2015) [3]
  2. Fatores sociais A solidão pode ser afetada por diferentes fatores, incluindo redes de apoio social, qualidade dos relacionamentos e normas sociais. Pessoas com laços sociais mais fracos ou menos relacionamentos íntimos são mais propensas a sentir solidão. Mudanças nas normas sociais e avanços tecnológicos podem impactar positiva e negativamente as conexões sociais, influenciando a prevalência da solidão. (Holt-Lunstad et al., 2015) [4]
  3. Fatores Biológicos A solidão está ligada a mudanças em nosso corpo e cérebro. Estudos indicam que a solidão prolongada está relacionada a níveis mais altos de hormônios do estresse, inflamação e um sistema imunológico enfraquecido. Além disso, a solidão pode afetar a capacidade do cérebro de processar recompensas e ameaças, causando maior atenção aos perigos sociais e sensibilidade reduzida às recompensas sociais. (Thisted et al., 2010) [5]

A pesquisa sobre a solidão enfatiza a importância de abordá-la como uma preocupação de saúde pública. Intervenções que promovem apoio social, melhoram a qualidade do relacionamento e visam cognições desadaptativas têm se mostrado promissoras na redução da solidão. Além disso, promover um sentimento de pertencimento e fortalecer as conexões sociais dentro das comunidades pode desempenhar um papel significativo no combate à solidão. [6]

COMO COMEÇA A SOLIDÃO?

A pesquisa sugere que a solidão pode ter origens precoces e pode ser influenciada por vários fatores.

Qualter et al. (2015) examinaram a solidão em crianças de 5 a 16 anos e descobriram que as crianças mais novas relataram menos solidão do que os adolescentes. Isso sugere que a solidão pode aumentar à medida que os indivíduos progridem na infância e adolescência. [3]

Os fatores sociais desempenham um papel crucial no desenvolvimento da solidão. Um estudo longitudinal de Bukowski et al. (2018) explorou a influência das relações sociais na solidão no início da adolescência. Os resultados indicaram que a qualidade dos relacionamentos entre pares, a qualidade da amizade e a aceitação social predizem significativamente a solidão ao longo do tempo. Isso destaca a importância das interações sociais positivas na redução dos sentimentos de solidão desde o início da adolescência . [7]

Além disso, a dinâmica familiar e os padrões de apego impactam a solidão na infância. Um estudo de Cassidy e Asher (1992) revelou que crianças com estilos de apego inseguro eram mais propensas a sentir solidão do que aquelas com apego seguro. As primeiras experiências de apego podem moldar a propensão de um indivíduo para a solidão. [8]

Talk to our global virtual expert, Stella!

Download the App Now!

Esses estudos provam que a solidão pode surgir cedo na vida e é influenciada por relacionamentos sociais e padrões de apego. Compreender as primeiras origens da solidão pode ajudar a informar intervenções e estratégias para promover a conexão social e prevenir a solidão em crianças e adolescentes.

QUAIS SÃO AS CONSEQUÊNCIAS DA SOLIDÃO?

A solidão pode ter várias consequências que afetam o bem-estar físico e mental. Aqui estão alguns críticos efeitos da solidão: [9]

QUAIS SÃO AS CONSEQUÊNCIAS DA SOLIDÃO?

  • Saúde mental : a solidão está fortemente associada a um risco aumentado de problemas de saúde mental, como depressão, ansiedade e baixa auto-estima. A solidão prolongada pode contribuir para o desenvolvimento ou exacerbação dessas condições.
  • Saúde Física : Pesquisas indicam que a solidão está ligada a resultados ruins para a saúde física. A solidão crônica tem sido associada a um risco aumentado de doenças cardiovasculares, comprometimento da função imunológica, níveis mais altos de inflamação e até aumento das taxas de mortalidade.
  • Declínio Cognitivo : A solidão tem sido associada ao declínio cognitivo acelerado e a um risco aumentado de desenvolver condições como demência e doença de Alzheimer.
  • Desconexão Social : Paradoxalmente, a solidão pode se perpetuar , levando ao retraimento social e à dificuldade de formar e manter relacionamentos significativos. Isso pode resultar em uma maior sensação de isolamento e desconexão dos outros.
  • Bem-estar e satisfação com a vida reduzidos : a solidão afeta negativamente a satisfação geral com a vida e o bem-estar subjetivo . Pode levar a uma diminuição do senso de propósito e realização na vida.

É essencial abordar e mitigar as consequências da solidão por meio de intervenções que se concentram em promover conexões sociais, promover o apoio à saúde mental e melhorar o bem-estar geral.

QUAL É A SOLUÇÃO PARA A SOLIDÃO?

Lidar com a solidão requer uma abordagem multifacetada que visa vários aspectos da vida de um indivíduo. Aqui estão algumas estratégias e intervenções importantes que podem ajudar a aliviar a solidão: [10]

QUAL É A SOLUÇÃO PARA A SOLIDÃO?

  • Redes de Apoio Social : Construir e manter conexões sociais é crucial. Incentivar os indivíduos a se envolverem em atividades que facilitem a interação social, como ingressar em clubes, trabalho voluntário ou grupos comunitários, pode ajudar a expandir sua rede social e reduzir sentimentos de solidão.
  • Fortalecendo Relacionamentos : Melhorar a qualidade dos relacionamentos existentes é essencial. Incentivar a comunicação aberta, a empatia e o apoio mútuo pode promover conexões mais profundas e aliviar a solidão.
  • Tecnologia e conexões virtuais : A utilização de tecnologia e plataformas online pode oferecer oportunidades de interação social, principalmente para indivíduos que enfrentam barreiras geográficas ou de mobilidade. Comunidades virtuais, mídias sociais e videochamadas podem preencher a lacuna e criar um senso de conexão.
  • Apoio à saúde mental : abordar problemas de saúde mental subjacentes, como depressão ou ansiedade, por meio de terapia ou aconselhamento, pode ser benéfico. Os profissionais de saúde mental podem fornecer apoio, orientação e estratégias de enfrentamento para lidar com sentimentos de solidão.
  • Envolvimento Comunitário : Incentivar a participação em atividades e iniciativas comunitárias pode promover um sentimento de pertencimento e integração social. Eventos locais, grupos de apoio e centros comunitários oferecem oportunidades para os indivíduos se conectarem com outras pessoas que compartilham interesses e experiências semelhantes.

Ao implementar essas estratégias e intervenções, os indivíduos podem combater ativamente a solidão e cultivar conexões sociais significativas, melhorando seu bem-estar geral.

CONCLUSÃO

Lidar com a solidão e melhorar a vida social requer esforços proativos para construir e manter conexões significativas. Os indivíduos podem combater a solidão e melhorar seu bem-estar participando ativamente de atividades sociais, buscando redes de apoio e nutrindo relacionamentos. Os indivíduos podem encontrar satisfação, apoio e uma maior compreensão da felicidade por meio dessas conexões e de um sentimento de pertencimento.

Se você se sentir deprimido e precisar conversar com alguém, entre em contato com nossos conselheiros especializados. Na United We Care, uma equipe de especialistas em bem-estar e saúde mental irá orientá-lo com os melhores métodos para o bem-estar.

REFERÊNCIAS

[1] “51 citações de solidão que farão você se sentir visto ,” Reader’s Digest , 08 de fevereiro de 2022.

[2] JT Cacioppo e S. Cacioppo, “O problema crescente da solidão,” The Lancet , vol. 391, nº. 10119, pág. 426, fev. 2018, doi: 10.1016/s0140-6736(18)30142-9.

[3] P. Qualter et al. , “Loneliness Across the Life Span,” Perspectives on Psychological Science , vol. 10, não. 2, pp. 250–264, março de 2015, doi: 10.1177/1745691615568999.

[4] J. Holt-Lunstad, TB Smith, M. Baker, T. Harris e D. Stephenson, “Loneliness and Social Isolation as Risk Factors for Mortality,” Perspectives on Psychological Science , vol. 10, não. 2, pp. 227–237, março de 2015, doi: 10.1177/1745691614568352.

[5] LC Hawkley, RA Thisted, CM Masi e JT Cacioppo, “Solidão prevê aumento da pressão arterial: análises cruzadas de 5 anos em adultos de meia-idade e idosos.”, Psychology and Aging, vol . 25, não. 1, pp. 132–141, março de 2010, doi: 10.1037/a0017805.

[6] LC Hawkley e JT Cacioppo, “Matérias de Solidão: Uma Revisão Teórica e Empírica de Consequências e Mecanismos,” Anais de Medicina Comportamental , vol. 40, não. 2, pp. 218–227, julho de 2010, doi: 10.1007/s12160-010-9210-8.

[7] WM Bukowski, L. Sippola, B. Hoza e AF Newcomb, “Páginas de um caderno sociométrico: uma análise da nomeação e medidas de escala de classificação de aceitação, rejeição e preferência social,” Novas direções para o desenvolvimento infantil e adolescente , vol. 2000, nº. 88, pp. 11–26, 2000, doi: 10.1002/cd.23220008804.

[8] J. Cassidy e SR Asher, “Loneliness and Peer Relations in Young Children,” Child Development , vol. 63, nº. 2, pp. 350–365, abril de 1992, doi: 10.1111/j.1467-8624.1992.tb01632.x.

[9] LA Rico-Uribe, FF Caballero, N. Martín-María, M. Cabello, JL Ayuso-Mateos e M. Miret, “Associação da solidão com todas as causas de mortalidade: uma meta-análise”, PLOS ONE , vol. 13, não. 1, pág. e0190033, janeiro de 2018, doi: 10.1371/journal.pone.0190033.

[10] J. Cohen-Mansfield, H. Hazan, Y. Lerman e V. Shalom, “Correlatos e preditores de solidão em adultos mais velhos: uma revisão de resultados quantitativos informados por insights qualitativos,” International Psychogeriatrics, vol . 28, não. 4, pp. 557–576, outubro de 2015, doi: 10.1017/s1041610215001532.

Unlock Exclusive Benefits with Subscription

  • Check icon
    Premium Resources
  • Check icon
    Thriving Community
  • Check icon
    Unlimited Access
  • Check icon
    Personalised Support

Share this article

Scroll to Top