Ronco: causas e tratamentos para silenciar o ronco

Maio 13, 2024

8 min read

Avatar photo
Author : United We Care
Ronco: causas e tratamentos para silenciar o ronco

Introdução

O ronco é um problema comum que afeta uma parcela significativa da população, causando distúrbios nos padrões de sono e muitas vezes levando à fadiga diurna. Embora o ronco ocasional possa ser inofensivo, às vezes o ronco pode indicar um problema de saúde latente. Compreender as causas e os possíveis tratamentos para o ronco crônico é essencial para quem busca alívio e melhor qualidade do sono. Este artigo abordará as razões do ronco, suas indicações, o processo de diagnóstico e as diferentes alternativas de tratamento.

O que é ronco?

O ronco é o som que ocorre durante o sono, quando o fluxo de ar pelo nariz e pela boca está parcialmente bloqueado. É uma condição comum que ocorre durante o sono e, segundo algumas estimativas, cerca de 57% dos homens e 40% das mulheres roncam [1] [2]. Durante o sono, os músculos e tecidos da garganta relaxam, colapsando para dentro e estreitando a passagem para os pulmões. Quando o ar passa, os tecidos da garganta, como o palato mole, vibram [1] [2]. O ronco em si está em um espectro, sendo uma das extremidades o simples ronco, onde nenhum outro problema noturno está presente e há pouca ou nenhuma consequência na vida diária. A outra extremidade são distúrbios como a apneia obstrutiva do sono (AOS) [3]. Assim, em alguns indivíduos, o ronco pode indicar um distúrbio do sono. Embora o simples ronco possa não ter consequências significativas além de afetar o relacionamento com o parceiro ou membro da família que divide o quarto, pode ser prejudicial se for crônico e indicativo de um distúrbio. Por exemplo, o ronco crônico pode causar dores de cabeça frequentes [4], sonolência diurna excessiva, falta de ar e acordar durante o sono [1], e pode até aumentar o risco de acidente vascular cerebral ou outras doenças cardíacas [5]. Mais informações sobre- Estresse Crônico

Quais são as causas do ronco?

Conforme mencionado, o ruído produzido durante a fase do sono é causado pela vibração dos tecidos moles da garganta. No entanto, vários fatores de risco para o ronco tornam algumas pessoas mais propensas a roncar do que outras. Esses fatores de risco incluem [1] [2] [3] [6]: Causas do ronco

  1. Sexo Masculino: Muitos estudos mostraram que aqueles designados como homens ao nascer ou aqueles com sexo masculino têm maior probabilidade de roncar. Embora o motivo exato não seja claro, alguns atribuem isso à anatomia da garganta e à distribuição de gordura corporal no sexo masculino.
  2. Vias Nasais Obstruídas: Problemas estruturais, como pólipos nasais ou congestão devido a alergias ou infecções nos seios da face, podem obstruir as passagens nasais, causando ronco.
  3. Fatores anatômicos: Alguns indivíduos têm músculos da garganta fracos, amígdalas ou línguas grandes, desvio de septo e outros fatores anatômicos que estreitam as vias aéreas e os tornam mais propensos a roncar.
  4. Obesidade: O excesso de peso e os tecidos adiposos ao redor do pescoço e da garganta podem pressionar as vias aéreas, causando ronco.
  5. Posição de dormir: Dormir em posição supina pode levar ao colapso da língua e do palato mole para trás, o que obstrui as vias aéreas e causa ronco.
  6. Álcool e sedativos: consumir álcool ou alguns sedativos antes de dormir pode relaxar excessivamente os músculos da garganta, contribuindo para o ronco.

O ronco também é comum nas famílias; assim, alguma ligação genética pode estar presente. Alternativamente, as características anatômicas mencionadas acima podem ser hereditárias.

Quais são os sintomas do ronco?

Além do som característico, apresenta vários sintomas associados quando o ronco é crônico ou indicativo de alguma outra condição como apneia do sono . Esses incluem:

  • Sonolência diurna
  • Fadiga
  • Dores de cabeça matinais
  • Dificuldade de concentração
  • Irritabilidade e alterações de humor
  • Sono agitado
  • Sons de respiração ofegante ou sufocada durante o sono

Como o ronco costuma causar mais distúrbios no sono do parceiro do que de si mesmo, ele também pode afetar os relacionamentos. Além disso, estudos demonstraram que condições como a apneia obstrutiva do sono, o principal sintoma do ronco crônico, são um fator de risco para doenças cardíacas, incluindo acidente vascular cerebral [5]. Assim, torna-se fundamental identificar quando o ronco se torna problemático e causa complicações à saúde. Leia mais- Doenças crônicas e saúde mental

Como diagnosticar e tratar o ronco?

Se o ronco se tornar crônico e impactar significativamente a vida diária, é fundamental procurar uma avaliação médica. Especialistas em sono com treinamento especial em avaliação, diagnóstico e tratamento de distúrbios do sono realizam uma avaliação completa para diagnosticar o ronco e problemas relacionados ao sono. Normalmente, para o diagnóstico, examina o histórico médico de uma pessoa e avalia a frequência, gravidade e duração dos episódios de ronco. Eles também monitoram de perto os casos de respiração ofegante ou asfixia. Outros sintomas, como a sonolência diurna, juntamente com o efeito do ronco na qualidade de vida, também são examinados. Ao avaliar a saúde geral, os profissionais médicos consideram vários fatores, incluindo consumo de álcool e hipertensão. Eles também examinam fisicamente as passagens nasais, a garganta e a boca para encontrar quaisquer anormalidades estruturais. Finalmente, com base na análise do especialista, um teste de polissonografia pode ser realizado para monitorar vários parâmetros fisiológicos durante o sono [1]. Deve ler sobre – Ujjayi pranayama O tratamento para o ronco crônico envolve várias abordagens para reduzir ou eliminar as causas subjacentes do ronco. Aqui estão algumas estratégias comuns [1] [2]: Como diagnosticar e tratar o ronco?

  1. Modificações no estilo de vida: Incentivar a perda de peso, evitar álcool e sedativos e manter um horário regular de sono pode ajudar a aliviar o ronco.
  2. Ajustes de posição de sono: Dormir de lado em vez de de costas pode reduzir o ronco. Travesseiros ou dispositivos especiais podem ajudar a estimular o sono lateral.
  3. Pressão positiva contínua nas vias aéreas (CPAP): As máquinas CPAP fornecem um fluxo constante de pressão de ar através de uma máscara para manter as vias aéreas abertas durante o sono.
  4. Aparelhos orais: Esses dispositivos são feitos sob medida por profissionais da odontologia para reposicionar a mandíbula e a língua, mantendo as vias aéreas abertas durante o sono.
  5. Cirurgia: Às vezes, os especialistas em sono sugerem intervenções cirúrgicas como amigdalectomia para corrigir anomalias anatômicas que contribuem para o ronco.

É importante consultar um especialista do sono para determinar o plano de tratamento mais adequado com base nas condições e necessidades específicas do indivíduo. Leia mais sobre- Uma noite tranquila

Conclusão

O ronco crônico pode ter um efeito prejudicial na qualidade do sono e no bem-estar geral de um indivíduo. É crucial abordar as causas subjacentes do ronco para melhorar o sono e prevenir possíveis complicações de saúde. Procurar aconselhamento médico pode fornecer informações valiosas e ajudar a restaurar noites tranquilas de sono ininterrupto. Modificações no estilo de vida, como perda de peso, mudanças de posição durante o sono e evitar álcool e sedativos, ajudam a reduzir o ronco. Se você estiver com dificuldade para roncar, entre em contato com os especialistas em sono da United We Care . Nossa equipe de especialistas se dedica a oferecer assistência e soluções eficazes adaptadas às suas necessidades específicas. Além disso, considere participar de nosso Programa Avançado para Distúrbios do Sono ou de um curso para iniciantes chamado Programa de Bem-Estar do Sono para compreender e gerenciar seus problemas de sono e ronco.

Referências

  1. RJ Schwab, “Ronco – distúrbios do cérebro, da medula espinhal e dos nervos”, Merck Manuals Consumer Version, https://www.merckmanuals.com/home/brain,-spinal-cord,-and-nerve-disorders/sleep-disorders / ronco (acessado em 26 de junho de 2023).
  2. E. Suni e K. Smith, “Snoring: The Causes, Dangers, & Treatment Options”, Sleep Foundation, https://www.sleepfoundation.org/snoring (acessado em 26 de junho de 2023).
  3. P. Counter e JA Wilson, “O manejo do ronco simples”, Sleep Medicine Reviews, vol. 8, não. 6, pp.
  4. AI Scher, RB Lipton e WF Stewart, “Ronco habitual como fator de risco para dor de cabeça crônica diária”, Neurology, vol. 60, não. 8, pp.
  5. S. Redline et al., “Apnéia obstrutiva do sono – hipopnéia e acidente vascular cerebral incidente”, American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine, vol. 182, não. 2, pp.
  6. FG Issa e CE Sullivan, “Álcool, ronco e apneia do sono.”, Journal of Neurology, Neurosurgery & Psiquiatria, vol. 45, não. 353–359, 1982. doi:10.1136/jnnp.45.4.353

Unlock Exclusive Benefits with Subscription

  • Check icon
    Premium Resources
  • Check icon
    Thriving Community
  • Check icon
    Unlimited Access
  • Check icon
    Personalised Support
Avatar photo

Author : United We Care

Scroll to Top

United We Care Business Support

Thank you for your interest in connecting with United We Care, your partner in promoting mental health and well-being in the workplace.

“Corporations has seen a 20% increase in employee well-being and productivity since partnering with United We Care”

Your privacy is our priority