Como usar a metacomunicação terapêutica em aconselhamento ou terapia familiar

Maio 24, 2022

13 min read

Avatar photo
Author : United We Care
Como usar a metacomunicação terapêutica em aconselhamento ou terapia familiar

No mundo de hoje, a comunicação – melhor dizendo, uma comunicação eficaz – diminuiu significativamente devido principalmente à falta de tempo. Os atrasos de comunicação na família e na sociedade estão atrapalhando as relações interpessoais e intrapessoais, levando a vários problemas psicológicos. Distúrbios psicológicos de longo prazo deram origem a questões sociais de suicídio, assassinato e outros crimes graves.

Metacomunicação Terapêutica em Aconselhamento ou Terapia Familiar

A psicoterapia ajuda muito a lidar com esses problemas. Os psicólogos clínicos utilizam diferentes estratégias para se comunicar com os pacientes e trazer à tona seus sofrimentos.

Os seres humanos se comunicam em três métodos, amplamente:

  • Verbal
  • Não-verbal
  • Visual

O que é Metacomunicação?

A metacomunicação é um meio de comunicação por meio de expressões não verbais, como expressões faciais, linguagem corporal, gestos, tons de voz, etc. É um processo secundário de comunicação usado junto com a comunicação verbal.

Às vezes, estes podem se tornar o principal método de comunicação entre dois indivíduos. Essas pistas secundárias atuam como as pistas primárias usadas para interpretar a comunicação entre eles. A metacomunicação torna-se então um processo colaborativo de reunir o máximo de informações durante essa conversa.

Our Wellness Programs

Quem inventou a metacomunicação?

Gregory Bateson, um cientista social, cunhou o termo “metacomunicação” em 1972.

Looking for services related to this subject? Get in touch with these experts today!!

Experts

História da Metacomunicação

Donald Kessler em 1988 utilizou a metacomunicação como meio terapêutico para melhorar a relação interpessoal entre o terapeuta e o paciente. Em sua experiência, isso levou a um melhor entendimento entre eles e forneceu um feedback verdadeiro ao terapeuta sobre o estado mental atual do paciente.

Como a metacomunicação é usada para a saúde mental

A metacomunicação é uma ferramenta psicoterapêutica para tratar distúrbios comportamentais. É considerada uma das melhores ferramentas em psicoterapia para abordar problemas familiares decorrentes de má comunicação comportamental entre um ou mais membros da família. Durante as sessões de terapia familiar em grupo, às vezes, o terapeuta precisa depender principalmente de pistas secundárias para chegar a qualquer conclusão, já que um membro da família pode não se sentir à vontade para falar na frente de outros membros.

Exemplo de Metacomunicação Terapêutica

Por exemplo, é muito mais fácil para um médico ou terapeuta avaliar o paciente quando ele está fisicamente presente, do que por meio de uma conversa telefônica. Quando fisicamente presente, o terapeuta pode ouvir ativamente os problemas do paciente. Ao mesmo tempo, eles analisam as expressões e a linguagem corporal do paciente para formar uma estratégia de tratamento eficaz.

Como iniciar o processo de metacomunicação terapêutica

A metacomunicação pode ser iniciada por:

  1. Fazer uma pergunta introdutória ao paciente, como “Como você está se sentindo hoje?”
  2. Compartilhar as observações do terapeuta com o paciente, como “Acho que você está perturbado hoje”.
  3. O terapeuta também pode compartilhar seus sentimentos, pontos de vista ou experiências com o paciente sobre assuntos relacionados. Isso ajuda a desenvolver um forte vínculo entre o terapeuta e o paciente.

Tipos de Metacomunicação

A classificação do estudioso semântico William Wilmot se concentra na metacomunicação nas relações humanas.

Metacomunicação em nível de relacionamento

Os sinais não verbais entre paciente e terapeuta crescem com o tempo. Os sinais ou expressões faciais que o paciente dá na primeira sessão de terapia não serão os mesmos após 30 sessões. Isso ocorre porque a relação cresceu entre o paciente e o terapeuta.

Metacomunicação de nível episódico

Esse tipo de comunicação ocorre sem nenhum link relacional. Inclui apenas uma interação. A expressão entre paciente e terapeuta é diferente se o paciente souber que está interagindo com o médico apenas uma vez na vida. Se o paciente sabe que a interação está apenas começando e pode continuar, as expressões verbais e não verbais serão completamente diferentes.

Princípios de metacomunicação

Um terapeuta deve seguir os seguintes princípios em suas sessões quando se trata de metacomunicação:

  1. Envolva o paciente em uma interação colaborativa durante a intervenção. O paciente deve sentir a autenticidade da intervenção do terapeuta.
  2. O paciente deve se sentir à vontade ao compartilhar sua luta com o terapeuta.
  3. O terapeuta deve ter a mente aberta ao abordar o paciente. Isso torna o paciente não defensivo em sua comunicação.
  4. O terapeuta deve reconhecer seus sentimentos em relação ao paciente. Isso ajuda o paciente a desenvolver um forte relacionamento com o terapeuta.
  5. As perguntas formuladas pelo terapeuta devem se concentrar na situação atual e ser específicas. Isso ajuda o paciente a perceber seu comportamento e o que precisa ser mudado.
  6. O terapeuta deve monitorar constantemente a proximidade ou relacionamento que se desenvolve entre eles e o paciente. Qualquer mudança de proximidade pode afetar diretamente a terapia.
  7. O terapeuta deve reavaliar a situação com frequência para evitar perder qualquer mudança contínua da situação.
  8. Finalmente, o terapeuta deve aceitar e esperar falhas na comunicação e estar preparado para passar pelo mesmo impasse repetidamente.

Cenários de Terapia para Metacomunicação

Não são apenas os psicólogos que usam o aconselhamento como parte de sua terapia. Outros médicos, como cirurgiões, fisioterapeutas e enfermeiros, também usam a metacomunicação como ferramenta durante suas sessões de aconselhamento.

Cenário 1

Um paciente vem com um membro da família para uma sessão de aconselhamento. O terapeuta obtém diferentes expressões ou pistas não verbais ao interagir com o paciente sozinho e na presença do familiar.

Cenário 2

Um paciente parece atento durante a terapia de aconselhamento, mas sua linguagem corporal não parece ser assim. Eles podem estar frequentemente olhando para o relógio ou mexendo no telefone.

Cenário 3

Uma criança queixa-se de dores de estômago frequentes sem achados clínicos aparentes. O terapeuta depende de pistas não verbais para verificar a situação real. Descobrem então que o motivo da frequente dor de estômago da criança era evitar ir à escola.

Quão eficaz é a metacomunicação terapêutica na terapia?

A metacomunicação deve sempre ser correlacionada com outros métodos de comunicação para se chegar a conclusões definitivas sobre o tratamento do paciente. No entanto, a metacomunicação pode ser usada como o único meio de comunicação em pessoas que perderam a capacidade de se comunicar. Podem ser pessoas afetadas por certos transtornos mentais ou que são mudas, ou crianças.

A eficácia do aconselhamento depende da interpretação correta das pistas não verbais dadas pelo paciente ao terapeuta. A experiência do terapeuta ajuda a interpretar corretamente esses sinais metacomunicativos. Todos os praticantes de psicoterapia devem utilizar a metacomunicação para desenvolver uma forte relação paciente-terapeuta.

“”

No mundo de hoje, a comunicação – melhor dizendo, uma comunicação eficaz – diminuiu significativamente devido principalmente à falta de tempo. Os atrasos de comunicação na família e na sociedade estão atrapalhando as relações interpessoais e intrapessoais, levando a vários problemas psicológicos. Distúrbios psicológicos de longo prazo deram origem a questões sociais de suicídio, assassinato e outros crimes graves.

Metacomunicação Terapêutica em Aconselhamento ou Terapia Familiar

A psicoterapia ajuda muito a lidar com esses problemas. Os psicólogos clínicos utilizam diferentes estratégias para se comunicar com os pacientes e trazer à tona seus sofrimentos.

Os seres humanos se comunicam em três métodos, amplamente:

  • Verbal
  • Não-verbal
  • Visual

O que é Metacomunicação?

A metacomunicação é um meio de comunicação por meio de expressões não verbais, como expressões faciais, linguagem corporal, gestos, tons de voz, etc. É um processo secundário de comunicação usado junto com a comunicação verbal.

Às vezes, estes podem se tornar o principal método de comunicação entre dois indivíduos. Essas pistas secundárias atuam como as pistas primárias usadas para interpretar a comunicação entre eles. A metacomunicação torna-se então um processo colaborativo de reunir o máximo de informações durante essa conversa.

Quem inventou a metacomunicação?

Gregory Bateson, um cientista social, cunhou o termo “metacomunicação” em 1972.

História da Metacomunicação

Donald Kessler em 1988 utilizou a metacomunicação como meio terapêutico para melhorar a relação interpessoal entre o terapeuta e o paciente. Em sua experiência, isso levou a um melhor entendimento entre eles e forneceu um feedback verdadeiro ao terapeuta sobre o estado mental atual do paciente.

Como a metacomunicação é usada para a saúde mental

A metacomunicação é uma ferramenta psicoterapêutica para tratar distúrbios comportamentais. É considerada uma das melhores ferramentas em psicoterapia para abordar problemas familiares decorrentes de má comunicação comportamental entre um ou mais membros da família. Durante as sessões de terapia familiar em grupo, às vezes, o terapeuta precisa depender principalmente de pistas secundárias para chegar a qualquer conclusão, já que um membro da família pode não se sentir à vontade para falar na frente de outros membros.

Exemplo de Metacomunicação Terapêutica

Por exemplo, é muito mais fácil para um médico ou terapeuta avaliar o paciente quando ele está fisicamente presente, do que por meio de uma conversa telefônica. Quando fisicamente presente, o terapeuta pode ouvir ativamente os problemas do paciente. Ao mesmo tempo, eles analisam as expressões e a linguagem corporal do paciente para formar uma estratégia de tratamento eficaz.

Como iniciar o processo de metacomunicação terapêutica

A metacomunicação pode ser iniciada por:

  1. Fazer uma pergunta introdutória ao paciente, como “Como você está se sentindo hoje?”
  2. Compartilhar as observações do terapeuta com o paciente, como “Acho que você está perturbado hoje”.
  3. O terapeuta também pode compartilhar seus sentimentos, pontos de vista ou experiências com o paciente sobre assuntos relacionados. Isso ajuda a desenvolver um forte vínculo entre o terapeuta e o paciente.

Tipos de Metacomunicação

A classificação do estudioso semântico William Wilmot se concentra na metacomunicação nas relações humanas.

Metacomunicação em nível de relacionamento

Os sinais não verbais entre paciente e terapeuta crescem com o tempo. Os sinais ou expressões faciais que o paciente dá na primeira sessão de terapia não serão os mesmos após 30 sessões. Isso ocorre porque a relação cresceu entre o paciente e o terapeuta.

Metacomunicação de nível episódico

Esse tipo de comunicação ocorre sem nenhum link relacional. Inclui apenas uma interação. A expressão entre paciente e terapeuta é diferente se o paciente souber que está interagindo com o médico apenas uma vez na vida. Se o paciente sabe que a interação está apenas começando e pode continuar, as expressões verbais e não verbais serão completamente diferentes.

Princípios de metacomunicação

Um terapeuta deve seguir os seguintes princípios em suas sessões quando se trata de metacomunicação:

  1. Envolva o paciente em uma interação colaborativa durante a intervenção. O paciente deve sentir a autenticidade da intervenção do terapeuta.
  2. O paciente deve se sentir à vontade ao compartilhar sua luta com o terapeuta.
  3. O terapeuta deve ter a mente aberta ao abordar o paciente. Isso torna o paciente não defensivo em sua comunicação.
  4. O terapeuta deve reconhecer seus sentimentos em relação ao paciente. Isso ajuda o paciente a desenvolver um forte relacionamento com o terapeuta.
  5. As perguntas formuladas pelo terapeuta devem se concentrar na situação atual e ser específicas. Isso ajuda o paciente a perceber seu comportamento e o que precisa ser mudado.
  6. O terapeuta deve monitorar constantemente a proximidade ou relacionamento que se desenvolve entre eles e o paciente. Qualquer mudança de proximidade pode afetar diretamente a terapia.
  7. O terapeuta deve reavaliar a situação com frequência para evitar perder qualquer mudança contínua da situação.
  8. Finalmente, o terapeuta deve aceitar e esperar falhas na comunicação e estar preparado para passar pelo mesmo impasse repetidamente.

Cenários de Terapia para Metacomunicação

Não são apenas os psicólogos que usam o aconselhamento como parte de sua terapia. Outros médicos, como cirurgiões, fisioterapeutas e enfermeiros, também usam a metacomunicação como ferramenta durante suas sessões de aconselhamento.

Cenário 1

Um paciente vem com um membro da família para uma sessão de aconselhamento. O terapeuta obtém diferentes expressões ou pistas não verbais ao interagir com o paciente sozinho e na presença do familiar.

Cenário 2

Um paciente parece atento durante a terapia de aconselhamento, mas sua linguagem corporal não parece ser assim. Eles podem estar frequentemente olhando para o relógio ou mexendo no telefone.

Cenário 3

Uma criança queixa-se de dores de estômago frequentes sem achados clínicos aparentes. O terapeuta depende de pistas não verbais para verificar a situação real. Descobrem então que o motivo da frequente dor de estômago da criança era evitar ir à escola.

Quão eficaz é a metacomunicação terapêutica na terapia?

A metacomunicação deve sempre ser correlacionada com outros métodos de comunicação para se chegar a conclusões definitivas sobre o tratamento do paciente. No entanto, a metacomunicação pode ser usada como o único meio de comunicação em pessoas que perderam a capacidade de se comunicar. Podem ser pessoas afetadas por certos transtornos mentais ou que são mudas, ou crianças.

A eficácia do aconselhamento depende da interpretação correta das pistas não verbais dadas pelo paciente ao terapeuta. A experiência do terapeuta ajuda a interpretar corretamente esses sinais metacomunicativos. Todos os praticantes de psicoterapia devem utilizar a metacomunicação para desenvolver uma forte relação paciente-terapeuta.

Unlock Exclusive Benefits with Subscription

  • Check icon
    Premium Resources
  • Check icon
    Thriving Community
  • Check icon
    Unlimited Access
  • Check icon
    Personalised Support
Avatar photo

Author : United We Care

Scroll to Top

United We Care Business Support

Thank you for your interest in connecting with United We Care, your partner in promoting mental health and well-being in the workplace.

“Corporations has seen a 20% increase in employee well-being and productivity since partnering with United We Care”

Your privacy is our priority